Outros

Geromel virou ídolo do Grêmio com ligação de Ronaldinho, seis meses de segredo e revista importada – ESPN

Rui Costa tinha o hábito de ler revistas importadas da Europa sobre futebol, quando se deparou com uma matéria de capa que o chamou atenção. Um zagueiro brasileiro ainda bastante desconhecido que era capitão do Colônia, da Alemanha, chamado Pedro Geromel.

O ano era 2011. O futuro diretor do Grêmio leu toda a reportagem e gostou muito da postura do defensor e da opinião dos diretores do time.

A partir de então, passou a investigar e a monitorar os passos daquele jogador. Ele descobriu que Geromel havia passado pela base no Palmeiras, de onde foi dispensado antes de subir ao time sub-20. Depois, atuou por Chaves e Vitória de Guimarães antes de ir à Bundesliga.

O fato de o zagueiro ser capitão em clube europeu ficou na cabeça de Rui Costa, que nunca mais esqueceu do jogador.

Assim que assumiu o cargo de diretor executivo de futebol do Grêmio, ele recebeu a missão do presidente Fábio Koff de contratar um zagueiro. Na hora, lembrou de Geromel, que possuía características mais próximas do que o clube precisava.

O próximo passo foi ver todos os jogos possíveis do zagueiro, que havia se mudado para o Mallorca, da primeira divisão da Espanha. O dirigente gostou do que viu do brasileiro em LaLiga, não dando espaço para nomes como Falcao García (então no Atlético de Madrid) e Cristiano Ronaldo (à época no Real Madrid).

Mesmo em um time que tinha muitas deficiências técnicas e que foi rebaixado, Rui Costa tinha convicção das qualidades e da postura do defensor.

Ele acredita no conceito de que jogadores que tiveram carreiras longas na Europa merecem ser observados, pois carregam uma bagagem que acrescenta muito ao atleta e aos vestiários de um time. O dirigente acredita que dificilmente um jogador que ficou tanto tempo fora não tenha um alto nível de performance e de liderança.

A primeira abordagem do Grêmio para contratar Geromel foi em agosto de 2013. O defensor tinha vínculo com o superagente Jorge Mendes, que cuida de nomes como Cristiano Ronaldo, o que poderia dificultar a operação de trazê-lo sem custos.

Rui Costa acionou o empresário Maickel Portela, que entrou em contato com seu amigo Ronaldinho Gaúcho para ajudar no negócio.

“Um dia, eu estava jantando com o meu companheiro de Mallorca, o Giovanni dos Santos [ex-meia do Barcelona], quando do nada ele recebeu uma ligação. Era o Ronaldinho, querendo meu número de telefone. Pouco depois, o Maickel me ligou e nós marcamos de nos encontrar em Mallorca”, contou Geromel, ao “Bola da Vez”.

Foi marcada em agosto de 2013 uma reunião sigilosa entre o zagueiro e Rui Costa, em Porto Alegre. Eles almoçaram juntos em um restaurante e conversaram por horas. Um mês depois, o defensor assinou um pré-contrato para se apresentar ao Grêmio no começo do ano seguinte.

O acordo ficou em segredo por praticamente seis meses porque o temor era de que alguém pudesse atravessar o negócio. O zagueiro tinha mercado na Europa, e outros do continente poderiam levá-lo. Mais uma vez, Geromel impressionou pela postura firme e por ter cumprido sua palavra rigorosamente.

Jorge Mendes era contra a volta de Geromel ao Brasil, mas a vontade do zagueiro em ser reconhecido em seu próprio país falou mais alto. Amigavelmente, ele parou de trabalhar com o português e passou a ser agenciado por Portela.

Assim que chegou ao Grêmio, em janeiro de 2014, Geromel foi ironizado por causa de seu sobrenome e pelo desconhecimento de seu futebol. Mesmo antes de estrear, recebeu críticas de alguns setores de imprensa gaúcha, principalmente pelo fato de o brasileiro ter recebido críticas de alguns jornais de Mallorca.

Logo de cara, o defensor impressionou os colegas por ser uma pessoa muito simples e humilde. Ele era alvo de brincadeiras dos colegas porque não tinha tatuagens, relógios caros ou roupas de marcas.

Mesmo não conseguindo jogar logo no começo, ele se manteve tranquilo e apoiou os colegas. Aos poucos, foi ganhando espaço, mostrando liderança e um conhecimento tático avançado.

O meio-campista Edinho dizia que era muito fácil jogar com Geromel, que orientava os volantes no posicionamento o tempo todo durante as partidas.

Após conseguir se firmar como titular, o zagueiro não deixou mais o posto e virou ídolo da torcida. Venceu Copa do Brasil, Campeonato Gaúcho, Recopa Sul-Americana e Libertadores da América, a qual foi capitão na final e levantou a taça. Além disso, faturou quatro vezes o Prêmio ESPN Bola de Prata SportingBet e fez parte do elenco da seleção brasileira que disputou a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Ao lado de Kanemann, forma uma das duplas de zaga mais badaladas do Brasil. E o torcedor gremista sentiu muita falta de Geromel no duelo de ida da semifinal da Libertadores, em Porto Alegre. Recuperado de uma lesão, o defensor estará em campo no Maracanã, nesta quarta-feira.

Fonte Oficial: ESPN.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Futebol 24h.

Comentários

O Futebol 24H reúne o melhor do futebol brasileiro e mundial. Acompanhe notícias do Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Vasco, Cruzeiro, Santos, Internacional, Barcelona, Real Madrid e outros.

Orgulhosamente desenvolvido por EscaEsco Comunicação.

To Top

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!